Home Salmos Adaptadado de o Tesouro de Davi – Charles H Spurgeon Salmos 1

Adaptadado de o Tesouro de Davi – Charles H Spurgeon Salmos 1

56
0


Versículo 1

“ABENÇOADO” – veja como este Livro dos Salmos começa com uma bênção, assim como o famoso Sermão de nosso Senhor na Montanha! A palavra traduzida como “bem-aventurado” é muito expressiva. A palavra original está no plural e é uma questão controversa se é um adjetivo ou um substantivo. Podemos aprender a multiplicidade das bênçãos que repousarão sobre o homem a quem Deus justificou, e a perfeição e grandeza da bem-aventurança que ele desfrutará. Poderíamos ler: “Oh, que bem-aventurança!” e podemos muito bem considerá-lo (como faz Ainsworth) como uma alegre aclamação da felicidade do homem gracioso. Que a mesma bênção repouse sobre nós!
Aqui o homem gracioso é descrito tanto negativamente (versículo 1) quanto positivamente

Versículo 2

Ele é um homem que não segue o conselho dos ímpios. Ele toma conselhos mais sábios e anda nos mandamentos do Senhor seu Deus. Para ele, os caminhos da piedade são caminhos de paz e prazer. Seus passos são ordenados pela Palavra de Deus, e não pelos artifícios astutos e perversos dos homens carnais. É um rico sinal de graça interior quando a caminhada exterior é mudada e quando a impiedade é colocada longe de nossas ações. Observe a seguir que ele não atrapalha o caminho dos pecadores. Sua empresa é mais seletiva do que era. Embora ele próprio seja um pecador, ele é agora um pecador lavado pelo sangue, vivificado pelo Espírito Santo e renovado no coração. Permanecendo pela rica graça de Deus na congregação dos justos, ele não ousa juntar-se à multidão que pratica o mal. Novamente é dito: “nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Ele não encontra descanso nas zombarias do ateu. Que outros zombem do pecado, da eternidade, do inferno e do céu, e do Deus Eterno; este homem aprendeu filosofia melhor do que a do infiel, e tem muita noção da presença de Deus para suportar ouvir Seu nome blasfemado. O trono do escarnecedor pode ser muito elevado, mas está muito próximo da porta do inferno; fujamos dele, pois logo estará vazio, e a destruição engolirá o homem que está sentado nele. Marque a gradação no primeiro verso:

  • Ele não anda segundo o conselho dos ímpios,
  • Nem impede o caminho dos pecadores,
  • Nem se assenta no assento do escarnecedor.

Quando os homens vivem em pecado, vão de mal a pior. No início, eles simplesmente seguem o conselho dos descuidados e ímpios, que se esquecem de Deus – o mal é mais prático do que habitual – mas depois disso, eles se habituam ao mal e ficam no caminho dos pecadores declarados que violam voluntariamente os mandamentos de Deus. ; e se forem deixados sozinhos, eles vão um passo além e se tornam professores pestilentos e tentadores de outros, e assim se sentam na roda dos escarnecedores. Eles se formaram em vício e, como verdadeiros Doutores da Danação, são empossados ​​e admirados por outros como Mestres em Belial. Mas o homem abençoado, o homem a quem pertencem todas as bênçãos de Deus, não pode manter comunhão com personagens como esses. Ele se mantém puro desses leprosos; ele afasta dele as coisas más como roupas manchadas pela carne; ele sai do meio dos ímpios e sai do acampamento, suportando o opróbrio de Cristo. Ó, que a graça seja assim separada dos pecadores.
E agora observe seu caráter positivo. “Seu prazer está na lei do Senhor.” Ele não está sob a lei como uma maldição e condenação, mas está nela e deleita-se em estar nela como sua regra de vida; ele se deleita, além disso, em meditar nele, lê-lo durante o dia e pensar nele à noite. Ele pega uma mensagem e a carrega consigo o dia todo; e nas vigílias noturnas, quando o sono abandona suas pálpebras, ele medita na Palavra de Deus. No dia de sua prosperidade ele canta salmos da Palavra de Deus, e na noite de sua aflição ele se consola com promessas do mesmo livro. “A lei do Senhor” é o pão diário do verdadeiro crente. E, no entanto, nos dias de Davi, quão pequeno era o volume de inspiração, pois eles não tinham quase nada, exceto os primeiros cinco livros de Moisés! Quanto mais, então, deveríamos valorizar toda a Palavra escrita que temos o privilégio de ter em todas as nossas casas! Mas, infelizmente, que maus-tratos são dados a este anjo do céu! Nem todos somos pesquisadores bereanos das Escrituras. Quão poucos entre nós podem reivindicar a bênção do texto! Talvez alguns de vocês possam reivindicar uma espécie de pureza negativa, porque não andam no caminho dos ímpios; mas deixe-me perguntar: seu prazer está na lei de Deus? Você estuda a Palavra de Deus? Você faz dele o homem de sua mão direita – seu melhor companheiro e guia de hora em hora? Caso contrário, esta bênção não pertence a você.

Versículo 3

“E ele será como uma árvore plantada” – não uma árvore selvagem, mas “uma árvore plantada”, escolhida, considerada como propriedade, cultivada e protegida do último e terrível desenraizamento, pois “toda planta que meu Pai celestial tem não plantado, será arrancado:” Mateus 15:13. “Pelos rios de água;” de modo que mesmo que um rio falte, ele terá outro. Os rios do perdão e os rios da graça, o rio da promessa e os rios da comunhão com Cristo, são fontes de abastecimento inesgotáveis. Ele é “como uma árvore plantada junto a rios de águas, que dá o seu fruto na sua estação”; não graças fora de época, como figos fora de época, que nunca ficam cheios de sabor. Mas o homem que se deleita na Palavra de Deus, sendo ensinado por ela, produz paciência nos momentos de sofrimento, fé nos dias de provação e santa alegria na hora da prosperidade. A fecundidade é uma qualidade essencial de um homem gracioso, e essa fecundidade deve ser oportuna. “Sua folha também não murchará;” a sua mais tênue palavra será eterna; seus pequenos atos de amor serão lembrados. Não apenas o seu fruto será preservado, mas também a sua folha. Ele não perderá sua beleza nem sua fecundidade. “E tudo o que ele fizer prosperará.” Bem-aventurado o homem que tem uma promessa como esta. Mas nem sempre devemos estimar o cumprimento de uma promessa pela nossa própria visão. Quantas vezes, meus irmãos, se julgarmos com base no bom senso, podemos chegar à triste conclusão de Jacó: “Todas essas coisas estão contra mim!” Pois embora conheçamos nosso interesse na promessa, ainda assim estamos tão provados e perturbados que essa visão vê exatamente o oposto do que essa promessa prediz. Mas aos olhos da fé esta palavra é certa, e por ela percebemos que as nossas obras prosperam, mesmo quando tudo parece ir contra nós. Não é a prosperidade exterior o que o cristão mais deseja e valoriza; é a prosperidade da alma que ele anseia. Freqüentemente, como Josafá, fazemos navios para ir a Társis em busca de ouro, mas eles são quebrados em Eziom-Geber; mas mesmo aqui há uma verdadeira prosperidade, pois muitas vezes é para a saúde da alma que seríamos pobres, enlutados e perseguidos. Nossas piores coisas são muitas vezes nossas melhores coisas. Assim como há uma maldição envolvida nas misericórdias do homem ímpio, também há uma bênção escondida nas cruzes, perdas e tristezas do homem justo. As provações do santo são uma criação divina, pela qual ele cresce e dá frutos abundantes.

Versículo 4

Chegamos agora ao segundo capítulo do Salmo. Neste versículo, o contraste da má situação dos ímpios é empregado para realçar o colorido daquele quadro justo e agradável que o precede. A tradução mais forçada da Vulgata e da versão da Septuaginta é: “Não é assim, os ímpios, não é assim.” E devemos compreender que qualquer coisa boa que seja dita dos justos não é verdade no caso dos ímpios. Oh! quão terrível é ter uma dupla negativa colocada nas promessas! e ainda assim esta é apenas a condição dos ímpios. Observe o uso do termo “ímpios”, pois, como vimos no início do Salmo, estes são os iniciantes no mal e os menos ofensivos dos pecadores. Oh! se tal é o triste estado daqueles que silenciosamente continuam em sua moralidade e negligenciam seu Deus, qual deve ser a condição dos pecadores declarados e dos infiéis desavergonhados? A primeira frase é uma descrição negativa dos ímpios e a segunda é uma imagem positiva. Aqui está o seu caráter – “eles são como palha”, intrinsecamente inúteis, mortos, inúteis, sem substância e facilmente levados. Aqui, também, marque sua destruição: “o vento afasta”; a morte os apressará com seu terrível sopro no fogo no qual serão totalmente consumidos.

Versículo 5

Eles ficarão ali para serem julgados, mas não para serem absolvidos. O medo os dominará ali; eles não permanecerão firmes; eles fugirão; eles não permanecerão em sua própria defesa; pois eles corarão e serão cobertos de desprezo eterno.
Bem podem os santos ansiar pelo céu, pois nenhum homem mau habitará lá, “nem pecadores na congregação dos justos”. Todas as nossas congregações na terra são mistas. Cada Igreja tem um demônio em si. O joio cresce nos mesmos sulcos que o trigo. Não há piso que ainda esteja completamente limpo de palha. Os pecadores se misturam com os santos, assim como a escória se mistura com o ouro. Os preciosos diamantes de Deus ainda estão no mesmo campo com as pedras. Lotes justos estão deste lado do céu continuamente irritados pelos homens de Sodoma. Alegremo-nos então, pois na “assembleia geral e igreja dos primogênitos” acima, de modo algum será admitida uma única alma não renovada. Os pecadores não podem viver no céu. Eles estariam fora de seu elemento. Mais cedo um peixe poderia viver em uma árvore do que os ímpios no Paraíso. O céu seria um inferno intolerável para um homem impenitente, mesmo que lhe fosse permitido entrar; mas tal privilégio nunca será concedido ao homem que persevera em suas iniqüidades. Que Deus conceda que possamos ter um nome e um lugar em suas cortes lá em cima!

Versículo 6

Ou, como o hebraico diz ainda mais completamente: “O Senhor conhece o caminho dos justos”. Ele está constantemente olhando para o caminho deles e, embora muitas vezes seja em névoa e escuridão, o Senhor sabe disso. Se for nas nuvens e na tempestade da aflição, ele entende. Ele conta os cabelos da nossa cabeça; ele não permitirá que nenhum mal nos aconteça. “Ele sabe Ele conhece o caminho que eu tomo: quando Ele me provar, sairei como o ouro.” (Jó 23:10.) “Mas o caminho dos ímpios perecerá.” Não apenas eles próprios perecerão, mas também o seu caminho. perecerá também. O justo grava seu nome na rocha, mas o ímpio escreve sua lembrança na areia. O homem justo ara os sulcos da terra e semeia aqui uma colheita que nunca será totalmente colhida até que ele entre nos prazeres da terra. eternidade; mas quanto ao ímpio, ele ara o mar, e embora possa parecer haver uma trilha brilhante atrás de sua quilha, ainda assim as ondas passarão sobre ela, e o lugar que o conheceu não o conhecerá mais para sempre. o próprio “caminho” dos ímpios perecerá. Se existir na lembrança, será na lembrança dos maus; e ser conhecido apenas pelos próprios ímpios por sua podridão.
Que o Senhor limpe nossos corações e nossos caminhos, para que possamos escapar da condenação dos ímpios e desfrutar da bem-aventurança dos justos!

Previous articleBiblia de Estudos Thomas Nelson a melhor bíblia atualmente