Home Salmos Introdução ao livro dos salmos

Introdução ao livro dos salmos

115
0

Autor e Data

Os Salmos individuais vêm de diversos períodos da história de Israel, mas em cada estágio, eles serviram como o livro de cânticos do povo de Deus. Davi escreveu cerca da metade dos Salmos. Seu papel como rei era mais do que o de um governante. Ele deveria representar e até incorporar o povo, e o bem-estar deles estava ligado à sua fidelidade. Portanto, Davi escreve como um representante, e os leitores devem discernir se o foco de um salmo está mais em seu papel como governante ou mais em seu papel como israelita ideal, no qual ele é um exemplo para todos. As ocasiões históricas mencionadas nos títulos dos salmos ajudam o leitor a ver como a fé se aplica a situações da vida real.

Principais Temas


O Saltério é fundamentalmente conhecido como o livro de cânticos do povo de Deus. Ele leva os temas básicos da teologia do Antigo Testamento e os transforma em canções:

  1. Monoteísmo. O único Deus, Criador e Governante de tudo, vindicará sua bondade e justiça no momento certo. Todos devem conhecer e amar este Deus, cuja pureza, poder, sabedoria, fidelidade e amor incessante são deslumbrantemente belos.
  2. Criação e queda. Embora Deus tenha criado o homem com dignidade e propósito, todas as pessoas desde a queda estão afligidas por pecados e fraquezas que somente a graça de Deus pode curar.
  3. Eleição e aliança. O único Deus verdadeiro escolheu um povo para si e se ligou a eles por meio de sua aliança. Essa aliança expressou a intenção de Deus de salvar seu povo e, por meio deles, trazer luz ao mundo.
  4. Membros da aliança. Em sua aliança, Deus oferece graça ao seu povo: perdão de seus pecados, a moldagem de suas vidas para refletir sua própria glória e um papel a desempenhar como luz para os gentios. Cada membro do povo de Deus é responsável por acreditar nas promessas de Deus e crescer na obediência a seus mandamentos. Aqueles que fazem isso desfrutam dos plenos benefícios do amor de Deus e encontram prazer em conhecê-lo. O bem-estar do povo de Deus como um todo afeta o bem-estar de cada membro. Cada um compartilha as alegrias e tristezas dos outros. Quando os crentes sofrem, não devem buscar vingança, mas devem orar. Eles podem ter a confiança de que Deus fará tudo certo no seu devido tempo.
  5. Escatologia. A história do povo de Deus se encaminha para um futuro glorioso, no qual todos os tipos de pessoas conhecerão o Senhor. A fidelidade pessoal do povo de Deus contribui para seu propósito final. O Messias, o herdeiro final de Davi, liderará seu povo na grande tarefa de levar luz aos gentios.

Tipos de Salmos

Os Salmos podem ser identificados de acordo com algumas categorias básicas:

Lamentações, que apresentam uma situação problemática diante do Senhor, pedindo sua ajuda. Existem lamentações comunitárias (Salmo 12) e lamentações individuais (Salmo 13). Esta categoria é de longe a maior, incluindo até um terço de todos os Salmos.

Hinos de louvor, que chamam o povo de Deus a admirar seus grandes atributos e feitos. Exemplos incluem os Salmos 8; 93; e 145.

Hinos de ação de graças. Assim como nos lamentos, existem hinos de ação de graças comunitários (Salmo 9) e individuais (Salmo 30).

Hinos que celebram a lei de Deus (Salmo 119).

Salmos de sabedoria (Salmos 1; 37), que refletem temas dos Livros de Sabedoria (Jó, Provérbios, Eclesiastes, Cantares de Salomão).

Canções de confiança, que permitem aos adoradores aprofundar sua confiança em Deus em meio a circunstâncias difíceis (Salmo 23).

Salmos reais, que apresentam a monarquia davídica como o veículo de bênção para o povo de Deus. Alguns deles são orações (Salmo 20), alguns são ações de graças (Salmo 21). Todos se relacionam com o Messias, o herdeiro final de Davi, seja estabelecendo um padrão (Salmos 20–21) ou retratando o reinado do rei de tal maneira que somente o Messias pode cumprir completamente.

Salmos Históricos, que extraem lições da história das interações de Deus com seu povo (Salmo 78).

Hinos Proféticos, que ecoam os Profetas, chamando as pessoas à fidelidade à aliança (Salmo 81).

Estrutura

O texto hebraico padrão divide os Salmos em cinco “livros”, talvez em imitação dos cinco livros do Pentateuco.

Livro 1 Salmos 1–41 Salmos 1–2 fornecem uma introdução aos Salmos como um todo. Exceto pelos Salmos 10 e 33, os demais salmos do Livro 1 são salmos de Davi. A maioria deles são orações de aflição. Outros são declarações de confiança no Deus que sozinho pode salvar (por exemplo, 9; 11; 16; 18), tocando a nota que conclui o livro (40–41). Reflexões sobre ética e adoração são encontradas nos Salmos 1; 14–15; 19; 24; e 26.

Livro 2 Salmos 42–72 O Livro 2 introduz o primeiro grupo de salmos dos “filhos de Corá” (42; 44–49; 50). Também existem mais salmos de Davi (51–65; 68–69), incluindo a maioria dos salmos “históricos” (51–52; 54; 56–57; 59–60; 63). Novamente, lamentação e aflição dominam essas orações, que agora também incluem uma voz comunitária (por exemplo, 44; compare com 67; 68). O único salmo atribuído a Salomão encerra o Livro 2 com um olhar sobre o ideal de Deus para os reis de Israel, apontando finalmente para Cristo como o grande Rei final do povo de Deus.

Livro 3 Salmos 73–89 O tom escurece ainda mais no Livro 3. O Salmo de abertura, o Salmo 73, questiona fortemente a justiça de Deus antes de ver a luz na presença de Deus. Essa luz quase escapa ao salmista no Salmo 88, o mais sombrio de todos os Salmos. O Livro 2 terminou no ponto alto das aspirações reais; o Livro 3 conclui no Salmo 89 com essas expectativas gravemente ameaçadas. Rápidos raios de esperança ocasionalmente penetram a escuridão (por exemplo, 75; 85; 87). O breve terceiro livro contém a maioria dos salmos de Asafe (73–83), bem como outro conjunto de salmos dos filhos de Corá (84–85; 87–88).

Livro 4 Salmos 90–106 O Salmo 90 abre o quarto livro dos Salmos. Pode ser visto como a primeira resposta aos problemas levantados pelo Livro 3. O Salmo 90, atribuído a Moisés, lembra o adorador de que Deus estava ativo em benefício de Israel muito antes de Davi. Esse tema é retomado nos Salmos 103–106, que resumem as ações de Deus com seu povo antes que quaisquer reis reinassem. No meio, há um grupo de Salmos (93–100) caracterizados pelo refrão “O SENHOR reina.” Essa verdade refuta as dúvidas do Salmo 89.

Livro 5 Salmos 107–150 A estrutura do Livro 5 reflete a petição final do Livro 4 no Salmo 106:47. Ele declara que Deus responde à oração (107) e conclui com cinco Salmos de Aleluia (146–150). No meio, existem vários salmos que afirmam a validade das promessas a Davi (110; 132; 144), duas coleções de salmos davídicos (108–110; 138–145); o salmo mais longo, celebrando o valor da lei de Deus (119); e 15 salmos de ascensão para uso de peregrinos em direção a Jerusalém (120–134).

Previous articlePraticar a Gratidão como uma Jornada Espiritual
Next articleA Aliança Sagrada: O Poder de Deus Como Nosso Aliado